Educação Sociedade Sustentabilidade

Educação Ambiental – Perspectivas e Oportunidades para o Desenvolvimento Sustentável da Apa do Sana – Macaé/Rj

1355218271

Área: 4 – Sociedade e Meio Ambiente

Autor: Bárbara Emília Monteiro Nunes da Silva

Mestrado em Educação Ambiental pela UNIPLI – RJ

E-mail: bmonteironunes2011@hotmail.com

Co-autor: D.Sc.Aline Guimarães Monteiro Trigo

Professora do Mestrado em Educação Ambiental da UNIPLI – RJ

     E-mail: aline@ppe.ufrj.br

RESUMO:

A implementação da Educação Ambiental em uma comunidade situada em uma Área de Proteção Ambiental (APA) do Sana, 6º Distrito de Macaé (RJ) é de suma importância, pois permite conhecer o ecossistema local, mantendo o equilíbrio biológico. As atividades humanas vêm reduzindo gradativamente a capacidade de manutenção da vida em nosso planeta, enquanto os aumentos da população e do consumo exercem demandas cada vez maiores sobre os recursos naturais. Assim, este projeto de Mestrado visa informar e sensibilizar a comunidade local, assegurando a preservação e conservação dos recursos da natureza através da educação ambiental, quando se tem a compreensão dos principais problemas que envolvem uma Área de Proteção Ambiental. Com o intuito de investigar a atuação da comunidade na APA, realizam-seentrevistas a partir da utilização de questionários. Segundo LÜDKE e ANDRÉ (1986), a pesquisa que visa conhecer as opiniões do público alvo, dentre outras características, é classificada como pesquisa qualitativa descritiva. Considera-se premente a necessidade de reestruturar a proposta da proteção ambiental da APA do Sana, enfatizando a educação da comunidade, no sentido de dar-lhes instrumentos que os capacite na identificação de problemas e os auxilie na busca de soluções, integrando-os na participação da conservação da biodiversidade e no uso múltiplo sustentado dos ecossistemas presentes na Unidade de Conservação – APA do Sana.

PALAVRAS CHAVES:

Educação Ambiental, comunidade, proteção ambiental.

INTRODUÇÃO

Com a descoberta de petróleo na plataforma continental próxima ao município, Macaé vive novo ciclo econômico, o ciclo do petróleo, que trouxe grande impulso à economia local, fazendo de Macaé um dos municípios que mais contribuem para geração de riquezas para o Estado do Rio de Janeiro. Em menos de 30 anos, Macaé passou de uma simples referência do litoral fluminense para situar-se como a primeira do Estado e a segunda de todo o país, atrás apenas de São Paulo, em termos de oportunidade de emprego e de índice de desenvolvimento urbano (BRASIL, 2003). Este foi o tempo necessário para que a Petrobras, instalada em Macaé em 1978, se consolidasse e movimentasse o município em termos de desenvolvimento econômico e social, criando oportunidades de trabalho e gerando potencial para investimentos empresariais. Em 2001, o município foi reconhecido como o 44º município em oportunidades de negócios, segundo pesquisa da Simonsen Associados/ Revista Exame, 41 pontos acima da posição alcançada no ano anterior. A partir daí foi crescendo até alcançar a privilegiada posição atual. O avanço industrial de exploração e produção de petróleo impõe aspectos positivos ao desenvolvimento sócio-econômico do município. Entretanto, traz impacto negativo ao meio ambiente com o crescimento populacional de trabalhadores e o fluxo turístico em face da utilização dos recursos naturais do município como praias, lagoas, ilhas costeiras, região serrana e cachoeiras, trazendo risco a biodiversidade local.

Em conseqüência do turismo desordenado, a Região do Sana – 6º Distrito localizado na serra macaense, foi objeto de ações, estudos, programas e projetos direcionados à implantação de uma Unidade de Conservação abrangendo todo o território de domínio. A Área de Proteção Ambiental (APA) é uma área em geral extensa, com um certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais, sendo constituída por terras públicas e privadas. A Unidade de Conservação, na forma Jurídica de APA Municipal – Área de Proteção Ambiental Municipal, está em conformidade com a Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC, conforme define GUERRA (2003).

A APA do Sana foi criada através da Lei nº 2.172/2001, com área compreendida por toda extensão contida no 6º Distrito de Macaé, sendo uma Unidade de Conservação de Uso Sustentável dos Recursos Ambientais. Segundo ROCCO et al (2002) as Unidades de Conservação são parcelas do território municipal e seus recursos ambientais, incluindo as áreas com características ambientais relevantes de domínio público ou privado, legalmente constituídas ou reconhecidas pelo Poder Público, com objetivos e limites definidos, sob regime especial de administração, às quais se aplicam garantias adequadas de proteção. A Área do Sana insere-se na bacia de drenagem do rio de mesmo nome e devido aos seus atributos paisagísticos esta área vem tendo a sua ocupação incrementada por turistas que buscam suas cachoeiras, maciços rochosos e matas para o lazer, bem como pela ocupação desordenada da faixa marginal e entornos dos rios para a implantação de casas de veraneio, loteamentos e pontos de comércio, sofrendo grande impacto ambiental devido ao grande fluxo de visitantes nos fins de semana e feriados, causando preocupação aos moradores em relação à preservação do meio ambiente, levando à exigência de elaboração de políticas públicas ambientais para o Sana. Segundo FERREIRA E VIOLA (1996) a análise das políticas ambientais no nível local é ainda bastante recente.

O uso conflitivo dos recursos naturais dos ecossistemas ali presentes vem acarretando uma progressiva degradação de grande parte de suas potencialidades turísticas e conservacionistas, gerando a necessidade urgente de dotar a região de medidas educativas para a comunidade, capaz de proporcionar desde já e no futuro, o uso múltiplo sustentado dos ecossistemas presentes na Unidade de Conservação – APA do Sana. Assegurar a proteção e conservação dos recursos da natureza através de uma educação adequada é uma necessidade atual, uma vez que, as atividades humanas vêm reduzindo gradativamente a capacidade de manutenção da vida em nosso planeta, enquanto os aumentos da população e do consumo exercem demandas cada vez maiores sobre os recursos naturais exigindo a implementação de políticas públicas direcionadas ao meio ambiente. Para CAHN (1995), reformas institucionais e, fundamentalmente, novos métodos nos processos de gestão das questões ambientais serão importantes para o sucesso das políticas relativas ao meio ambiente. Pensando nessa possibilidade é que se verifica a urgência da adoção de medidas educativas que sejam direcionadas para o meio ambiente, considerando que o ser humano exerce há milênios uma adoção decisiva sobre o meio ambiente e avaliando que essa ação nem sempre foi harmônica.

SegundoLOUREIRO et al (2002), mudanças de paradigma requerem mudanças de atitude. Logo, a Educação Ambiental busca a implantação de novas formas de relacionamento dos homens com as demais espécies, dos homens com o meio abiótico, mas, principalmente, do homem com os demais homens.

A Educação Ambiental deve começar em casa, atingir a rua e a praça, englobar o bairro, abranger a cidade, ultrapassar as periferias, repensar o destino dos bolsões de pobreza, penetrar na intimidade dos espaços opressores, atingir as peculiaridades e diversidades regionais para integrar os espaços nacionais. A preocupação básica da Educação Ambiental é garantir o meio ambiente sadio para todos os homens e tipos de vida existentes na face da Terra. FREIRE (2002) desenvolve a práxis educativa através da dialogicidade como processo de reflexão e ação na construção do conhecimento, é fundamental para intervir na realidade e promover a mudança levando à cidadania, o que implica um movimento dialético entre o desvelamento crítico da realidade e a ação social transformadora, segundo o princípio de que os seres humanos se educam reciprocamente e mediados pelo mundo.

LOUREIRO et al (2002) coloca que a educação ambiental é uma práxis educativa e social que tem por finalidade a construção de valores, conceitos, habilidade e atitudes que possibilitem o entendimento da realidade de vida e a atuação lúcida e responsável de atores sociais individuais e coletivos no ambiente. Neste sentido, contribui para a tentativa de implementação de um padrão civilizacional e societário distinto do vigente, pautado numa nova ética da relação sociedadenatureza. Dessa forma, para a real transformação do quadro de crise estrutural e conjuntural em que vivemos, a educação ambiental, por definição, é elemento estratégico na formação de ampla consciência crítica das relações sociais e de produção que situam a inserção humana na natureza.

A Educação Ambiental entendida como aprendizagem de novas habilidades que levam à mudança de valores e atitudes deve envolver todos os atores sociais que interferem no meio ambiente: setor produtivo, governo, organizações da sociedade civil e no presente estudo, aos moradores da APA do Sana e do seu entorno, através da informação, sensibilização e compreensão dos principais problemas que envolvem uma Área de Proteção Ambiental, proporcionando os conhecimentos técnicos e as qualidades necessárias para desempenhar uma função produtiva, que vise a melhoria da qualidade de vida e a proteção ambiental, corroborando com a consciência crítica para melhor atuação cidadã na relação sociedade e meio ambiente.

METODOLOGIA

A pesquisa na APA do Sana consistiu na investigação da atuação da comunidade local, desenvolvida, num primeiro momento, por meio de pesquisas bibliográfica e documental. Numa segunda etapa, faz-se a coleta de dados, utilizando questionários com perguntas abertas, e finalmente a análise e interpretação sistemática dos dados.

Segundo LÜDKE eANDRÉ (1986), a pesquisa que tem o intuito de abordar e analisar as opiniões do público alvo, dentre outras características, é classificada como pesquisa qualitativa. Foram levantados fatores em âmbito social, cultural e de saúde relacionados com a questão ambiental e o conhecimento multidisciplinar entre estas áreas.

As pesquisas bibliográfica e documental, caracterizadas como estudos teóricos, foram realizadas através de um levantamento da literatura já publicada referente ao assunto, por meio de livros, periódicos, dissertações, teses, documentos e leis. Segundo MAY (2004) a pesquisa documental se torna um meio através do qual o pesquisador procura uma correspondência entre a sua descrição e os eventos aos quais ela se refere. Para GIL (1991) a pesquisa bibliográfica permite ao investigador a cobertura de uma gama de fenômenos muito mais ampla do que aquela que poderia pesquisar diretamente.

O estudo de caso teve como objetivo descobrir a relação do público-alvo com os recursos naturais existentes em sua comunidade e a forma de atuação, visando garantir a conservação e preservação desses recursos. LÜDKEeANDRÉ (1986) consideram que o estudo de caso visa à descoberta, mesmo que o investigador parta de alguns pressupostos teóricos, deve se manter constantemente atento a novos elementos que podem emergir como importantes durante o estudo.

As entrevistas foram realizadas através de questionários com perguntas abertas como instrumento para coleta de dados visando a captação imediata e corrente da informação desejada. Segundo MAY (2004) as perguntas abertas dão aos respondentes uma liberdade maior para responder porque o fazem de uma maneira que é adequada a sua interpretação.

Sabendo que a Educação Ambiental é forte aliada nas atividades sociais de um grupo ou comunidade, o presente estudo vem propor que sejam aplicadas na área da APA do Sana algumas ações que sensibilizem, eduquem e orientem para a preservação e conservação da localidade.

O público-alvo selecionado para o estudo foi composto por 30 (trinta) mulheres residentes no Sana, entre 18 e 24 anos, que participam da associação de moradores e se mostraram interessadas em conhecer os ecossistemas locais e como desenvolver ações de proteção ambiental. GIL (1991) considera quea escolha de indivíduos selecionados com bases em certas características mostra-se mais adequada para a obtenção de dados de natureza qualitativa.

RESULTADOS/DISCUSSÃO

Estudando os dados coletados observou-se a falta de compreensão de atitudes de proteção ambiental, como a preservação das espécies nativas, dos mananciais e das matas ciliares através de uma educação ambiental na localidade. A falta de conhecimento das questões ambientais contribui para impactar negativamente o meio ambiente sadio. Afirma PEDRINE et al (1997) que para mudar algo, é preciso um conhecimento do fenômeno que se quer mudar.

Em análise aos questionários respondidos foi percebido que há interesse em contribuir para a proteção ambiental em áreas degradadas por meio do “reflorestamento nas áreas de nascente”, “fiscalização de construções em áreas marginais”, “proibição de lançamento de efluentes nos mananciais”, conforme foi constatado em algumas respostas citadas acima.

A falta de informação das questões ambientais também ficou evidenciada nos questionários com comentários como “alguns turistas jogam lixo na cachoeira”, “não me preocupo com a água tratada, prefiro beber água da bica”, enfatizando a necessidade de desenvolver a educação ambiental como instrumento de utilização racional dos recursos naturais do Sana.

Acredita-se, portanto, que a educação ambiental possa, a princípio, sensibilizar essas mulheres no tocante às questões ambientais, para que mais tarde, gere instrumentos que as capacite na identificação de problemas e as auxilie na busca de soluções, integrando-as na participação da conservação da biodiversidade e no uso múltiplo sustentado dos ecossistemas presentes na Unidade de Conservação – APA do Sana, como multiplicadoras no processo de conservação da área de proteção ambiental, junto a vizinhos, familiares, comunidades adjacentes e turistas. Afirma DIAS (1992) que por lidar com a realidade, a educação ambiental pode e deve ser o agente de novos processos educativos que conduzam as pessoas por caminhos onde se vislumbre a possibilidade de mudança e melhoria do seu ambiente total.

CONCLUSÃO

O Sana foi escolhido para realização da pesquisa por compor uma diversidade de recursos naturais, caracterizados como vegetação de Mata Atlântica e mananciais que formam a Bacia Hidrográfica do rio Macaé, importantes para o equilíbrio do ecossistema local, onde as atividades antrópicas vêm acarretando grande degradação, o que levou o município de Macaé a desenvolver estudos para implantar uma unidade de conservação de uso sustentável, culminando na criação da APA do Sana.

A educação ambiental se caracteriza por ser um instrumento de associação teórico-prática, através de informações que possam intervir na realidade e promover mudanças de atitudes cotidianas, levando a novas práticas ambientais na construção da cidadania. Afirma LOUREIRO et al (2002) que a cidadania está amplamente relacionada ao fazer educação ambiental. Articular o exercício da cidadania ao enfrentamento da questão ambiental não pressupõe apenas a conscientização dos deveres individuais determinados pela moral ecologista, mas, sobretudo, a conscientização dos direitos coletivos definidos pela negociação política, possibilitando a criação da nova cultura da gestão ambiental participativa.

A pesquisa iniciou-se com a participação do pesquisador em reuniões, como ouvinte, para conhecer in loco a comunidade, identificando o público-alvo – mulheres de 18 a 24 anos – a ser objeto de estudo sobre a questão ambiental da localidade. Foram realizadas entrevistas com questionário aberto, que segundo LÜDKE eANDRÉ (1986) permitem uma visão bem ampla da situação dos sujeitos, do contexto e das principais questões do estudo.

Na primeira fase, a análise documental e bibliográfica foi uma técnica valiosa, já que isso permite segundo CAULLEY (1981) identificar informações factuais nos documentos a partir de questões ou hipóteses de interesse. GUBA eLINCOLN (1981) apresentam vantagens para o uso de documentos na pesquisa ou na avaliação educacional por constituírem uma fonte estável e rica, possibilitando várias consultas e servir de base a diferentes estudos, dando mais estabilidade aos resultados obtidos.

Os dados coletados no questionário permitiram identificar o nível de conhecimento do público-alvo sobre a importância da proteção conservação e preservação ambiental em área de proteção ambiental, dando início à análise do caso já que afirmam LÜDKE eANDRÉ (1986) nesse momento o pesquisador já deve ter uma idéia mais ou menos clara das direções teóricas do estudo possibilitando o desenvolvimento dos trabalhos.

Os resultados obtidos ressaltam que proposições de ações educacionais minimizam impactos ambientais. Como aplicabilidade prática da pesquisa, que demonstrou falta de conhecimento das questões ambientais, foi iniciada na comunidade estudada a educação ambiental como proposta para capacitação de multiplicadores, já que para LOUREIRO et al (2002) a crise ambiental contemporânea, mais do que uma questão ética é uma questão política, mais do que uma questão individual e privada é uma questão coletiva e pública. Estas ações implementadas sensibilizam a população para controlar, fiscalizar e monitorar a APA do Sana e fortalecem as estruturas organizativas da comunidade na proteção ambiental.

ABSTRACT

The implementation of a Environmental Education into a community placed in a  Preserved Environmental Area (APA) From Sana, 6º Macaé´s district (RJ) it´s extremely import and allow to know local ecosystem generating conditions to keep the biological equilibrium. Human activity constantly decreases living maintenance capabilities in our planet, while increases in resources consumption due increased amount of individuals result in natural increase on natural resources demand. This analysis want to inform and educate local citizens, ensuring preservation and conservation of nature resources due to environmental education, when the individuals have the proper awareness of the main problems which are involved  in a Enviroment Protection Area. Investigating the community actuation in the APA some interviews were done based on selected and relevant questions. According to LÜDKE andANDRÉ (1986), the research which address the issues being questioned through the opinions of the target popullation , within other caractheristics, it is classified as qualitative research. It´s considered a must the need to restructure the propose to protect the environment into SANA´s APA, emphasizing community education, trying to give them means making them able to identify problems and help them to find solutions,  integrating them into the conservation of the biodiversity and into the multiple sustentable usage of the ecosystems part of the Conservation Unit, SANA´s APA.

BIBLIOGRAFIA

BRASIL. TCE RJ – Estudo Socioeconômico 2003.Rio de Janeiro: Coordenadoria de Comunicação Social, Imprensa e Editoração, 2003.

CAHN, M. A. The Tension Between Liberalism and Environmental Policymaking in the  United States. New York: State University of  New York, 1995.

CAULLEY, D. N. Document Analysis in Program Evaluation. Portland: Or. Northwest Regional Educational Laboratory, 1981.

CERVO, Luiz Amado. Metodologia Científica. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1978.

DIAS, G. F. Educação Ambiental:princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 1992.

FERREIRA, L., VIOLA, E. (org.). Incertezas de Sustentabilidade na Globalização. Campinas: Ed.

Unicamp, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 34ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.

GUBA, E. G. e LINCOLN, Y. S. Effective Evaluation. San Francisco, Ca: Jossey-Bass, 1981.

GUERRA, Sidney. Legislação de Direito Ambiental. Rio de Janeiro: América Jurídica, 2003. LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo et al. Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002.

LÜDKE, Menga e ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: E.P.U., 1986.

MAY, Tim. Pesquisa Social: questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Atrmed, 2004. PEDRINE et al. Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 1997.

ROCCO et al. Legislação do Meio Ambiente. Rio de Janeiro: DP&A., 2002.

Bárbara Emília Monteiro Nunes da Silva (bmonteironunes@yahoo.com.br)

D.Sc.Aline Guimarães Monteiro Trigo (aj.trigo@superig.com.br)

Centro Universitário Plínio Leite – UNIPLI

Pós-graduação stricto sensu em Educação Ambiental

Secretaria de Pós-Graduação – Av. Visconde do Rio Branco, 123

Centro – Niterói / RJ – Tel.: (22) 2622 – 1441